TI-AGRO, A VERDADEIRA AGRISOFT

Informação e Conhecimento, o novo poder do campo.

Por: Marcelo Tacchi*

É incrível o que está acontecendo com o mundo e nossas vidas. Nunca, em nenhum momento da história, tantas mudanças aconteceram com tanta velocidade. O avanço da informática, a biotecnologia, dinheiro eletrônico, o fax, o celular, a inteligência artificial.

Todas essas transformações nos afetam diretamente trazendo mudanças em nossa vida familiar, profissional e até nas relações afetivas já que tem gente namorando e casando-se pela Internet .
Se a indústria e o comercio mudaram seria diferente no setor rural ? Aparentemente não , segundo algumas lideranças do meio rural a grande tendência do campo chama-se “profissionalização “ porém, essa mudança ainda esta na ponta de um iceberg e são poucos ainda os resultados que comprovam essa mudança .

banner int artigo01Nós, como empresas de softwares para área rural, sentimos essas mudanças intensamente no contato com os clientes. Observamos que até 3 ou 4 anos atrás, a administração rural era vista como um acessório na fazenda. Atualmente os produtores a consideram como algo fundamental. Este novo profissional começa a dividir sua atenção entre as atividades da fazenda, movimentos de mercado, questões ambientais e política tributária. A questão é que, hoje,  esse profissional não pode mais errar.

E nesse novo produtor visualizamos duas ações básicas que o caracterizam:
Implantação de Tecnologia - Através de equipamentos, novas praticas e investimento em animais e plantas geneticamente melhoradas.
Adoção de uma Administração Profissional - Através da substituição ou transformação do fazendeiro em empresário rural que, além de se preocupar com a produção, busca a produtividade e lucratividade na sua propriedade. Seu objetivo é produzir mais com menos recursos e para isso necessita de informações para poder avaliar, controlar e tomar decisão.

E esses são os motivos que tecnologias, como a informática, vem sendo bem recebidas no campo. Mas sabemos que existem muitas dúvidas a serem esclarecidas muitos questionamentos como os abaixo listados, que procuraremos responder.

Por que informatizar minha fazenda?
Basicamente por dois motivos. Ganhar tempo e dinheiro.

O tempo se ganha porque todas as informações da fazenda estão organizadas em um único ponto - o computador, o que facilita avaliar qualquer situação.

E ganha-se dinheiro porque o produtor pode avaliar e decidir, por exemplo, se vai ou não descartar animais de seu plantel que estejam abaixo da média ou mesmo identificar  antes que ela se alastre, os sintomas de uma doença em uma vaca .

Toda a fazenda pode ser informatizada?
Na teoria sim. Mas para uma fazenda ser informatizada com sucesso, necessita basicamente de três pré requisitos :
1-    Organização – a matéria prima do computador são os dados e a sua coleta em nível de campo. Se eles não existem ou são incompletos, a informatização da fazenda pode ficar comprometida.
2-    Pessoas comprometidas – Temos observado que mais importante que a escolaridade das pessoas, é a sua boa vontade e interesse. Ou seja, tanto faz um agrônomo ou uma pessoa de baixa escolaridade. A diferença é se ela está comprometida  ou apenas envolvida no processo de coleta de dados.
3-    Objetivo claro – O produtor deve ter muito claro o que espera do programa que adquiriu (controle do manejo dos animais, controle financeiro, etc... ) de forma que todos na fazenda, saibam os motivos dessa tecnologia para que não haja frustrações no decorrer do processo .

Como escolho um programa de computador para minha fazenda ?
Basicamente o produtor deve procurar quatro itens em um sistema. São eles:
1-    Fácil de trabalhar – a maioria dos produtores ainda não está muito familiarizado com a informática. Por este motivo, o programa  deve preferencialmente estar em Windows, não possuir códigos e ser auto-explicativo.
2-    Simples de incluir dados – A coleta de dados na fazenda é normalmente o principal problema para a informática avançar rapidamente. Dessa forma, procure programas que imprimam suas próprias planilhas de coleta de dado (essas planilhas devem ser de fácil preenchimento) e, se possível, esse sistema pode ser ligado em outras tecnologias como balanças digitais e brincos com código de barras.
3-    Facilidades para avaliar a situação – o programa escolhido deve possuir diversos gráficos e relatórios de forma que o produtor possa facilmente avaliar e decidir o que fazer a cada momento.
4-    Não seja cobaia de ninguém – ou seja, adquira o sistema de uma empresa que possua diversos casos de sucesso de informatização, que já possua diversas versões (os problemas principais devem terem sido sanados) e possua uma boa assistência técnica para clientes .

Vale a pena informatizar uma fazenda? Isso é caro ou barato?
Muitas pessoas  nos perguntam isso. Ou então, fazem contas das despesas que terão para informatizar (com um computador e programa deve-se gastar aproximadamente R$ 2.500,00 a R$ 3.000,00).

Nos diríamos o seguinte: Um produtor conhece sua fazenda quando erra. E isto  é devido a falta de informação e não à falta de experiência. Sugerimos que ele avalie o que é mais barato. Continuar errando por falta de informação ou mesmo deixar de realizar novos controles administrativos porque acha caro investir em informática, ou é mais barato adquirir o equipamento e começar a colher todos os benefícios trazidos pela informatização? Na TI-Agro, não temos nenhum caso de produtor que tenha entrado na era da informática e abandonado essa tecnologia.
Devo comprar um sistema pronto ou contratar uma empresa para fazê-lo ?
Para fazer um sistema sob medida seria necessário selecionar uma empresa com capacidade de atendê-lo e caberá a você repassar tudo o que deseja para essa empresa. Posteriormente, as evoluções só acontecerão se você “explicar o que deseja em detalhes “ e caberá  a você realizar os diversos testes do sistema para ter segurança no mesmo.

Diversos clientes abandonaram essa idéia, pois a consideraram muito trabalhosa e de resultado duvidoso.

A informática e coisa apenas para “gente jovem “?
Temos filhos de fazendeiros com 14 anos que estão auxiliando os pais na informatização da fazenda, como temos produtores com mais de 65 anos que estão implantando a informática na suas fazendas. A questão ao nosso ver é se a pessoa possui ou não abertura para se adaptar a novas tecnologias como  a informática, e, acima de tudo, se tem “bom senso “.
Computador vai dar muito trabalho e tomar tempo ?
A resposta para isso é: Depende. Caso o produtor tenha disciplina gastando de 15 minutos por dia ou uma hora por semana, toda sua fazenda vai estar no computador em pouco tempo. A condição sine qua non, é que ele seja um pouco organizado e disciplinado. No final, ele vai perceber que ganhou muito tempo com isso, ou então pode contratar uma funcionário ou mesmo uma pessoa da família para fazer esse trabalho. Temos muitos clientes cujas esposas e filhos se encarregam de digitar os dados.

Como faço para a assistência técnica não me deixar na mão?
Esse é um ponto preocupante para diversos produtores. Nossa sugestão é que ele procure uma empresa que possua estrutura de assistência  para um rápido atendimento, conheça  o sistema lendo os manuais para uma rápida compreensão do mesmo e se ainda assim, sentir dificuldade, que procure se cercar de pessoas que conheçam a informática. Mas normalmente isso tudo  não é necessário, pois a informática, acima de tudo, é bom senso.

Bem, adquiri o sistema. Como procedo agora?
O usuário seguirá agora alguns passos.
1º passo -  “Tomar Pé da Situação  -  Leia o sistema. Tome contato com o programa e comece a cadastrar  no sistema, seus planos de contas e centros de custos da fazenda. Essa costuma ser uma parte muito particular de cada fazenda e, se o usuário tiver dúvidas, deve consultar a assistência técnica

2º passo -  “Criar o ambiente de trabalho “ -  Nessa etapa o produtor vai passar o inventário de sua fazenda para o sistema, informando pastos, números de animais por categoria, ficha individual de cada animal etc....Essa etapa pode ser trabalhosa, mas, na realidade, trata-se de  incluir os dados.

3º passo - “ Usar o sistema no dia a dia “ – Nessa etapa o produtor utiliza as planilhas de campo para registrar todas as atividades de manejo com seu rebanho e registrar os movimentos de receitas e despesas na fazenda . Nessa fase, cabe ao produtor dar o exemplo, cobrar de seus funcionário e se habituar a utilizar o computador

4º passo - “Tomar decisões com o sistema“ -  Como disse anteriormente, o objetivo de tudo isso é ganhar tempo e dinheiro. Dessa forma, o produtor deve cruzar as informações que o programa apresenta com as suas  experiências pessoais,  para decidir o que fazer a cada momento na fazenda .

5º passo - “A tecnologia não para “ -  Possua uma postura crítica do sistema avaliando sempre a participação e a facilidade do sistema. Cobre continuamente da empresa que o atende, as evoluções. Se o sistema adquirido for bom, ele certamente irá evoluir continuamente e o pessoal dessa empresa incluirá no sistema algumas de suas sugestões.

A informática está realmente chegando ao campo? É um modismo? Ou ainda é cedo para isso?
Essas eram algumas  perguntas feitas por tanta gente a alguns anos atrás. Houve momentos em que realmente  tivemos dúvidas. Mas a crise de 95 no setor produtivo  acelerou e consolidou esse processo, pois, como diziam diversos produtores na época  “Vou me informatizar pois quero controlar melhor minha propriedade e nunca mais passar nervoso!“ Essa tem sido a frase que temos escutado constantemente  desde então .

Se o leitor observar, começa a existir um novo assunto sendo discutido  em eventos agropecuários. Os produtores estão se reunindo   para definir qual o melhor computador e programa de computador que devem utilizar em suas propriedades. Em diversas feiras agropecuárias já estão surgindo eventos paralelos de agroinformática. Palestras e cursos começam a surgir nas universidades , e duas noticias que saíram na mídia nos últimos tempos podem confirmar que a informática está realmente chegando ao campo.

Noticia  1: Fonte: Pesquisa realizada pela DATAFOLHA em 1996
Pesquisa revelava que dentre o público rural mais esclarecido no país - incluindo proprietários, administradores, veterinários e agrônomos - 35% (na época, cerca de 600.000 profissionais) utilizavam a informática para sua gestão administrativa e 33% (cerca de 565.000 profissionais) para sua gestão de rebanho. A pesquisa ainda apontava que 30% deste público (cerca de 515.000 profissionais) havia afirmado estar em processo de implantação desta tecnologia, devendo concluí-la dentro de um período máximo de três anos.

Noticia  2 :
A Receita Federal divulgou ter ficado espantada com o numero de entregas de ITR  -Imposto Territorial Rural , realizado a nível nacional via meio magnético até o final do ano de 1997 : Total de 3.750.000 declarações a serem entregues , 37% foram realizados em disquete e via Internet , em 1998 ainda não temos o número mas espera-se  um número bem mais elevado, pois 97 foi o primeiro ano com esse recurso.


Enfim , a  indústria e comércio utilizam de forma rotineira a informática. Ambos passaram pelo processo de profissionalização. O setor rural também não está alheio a essa tendência e, mais cedo ou mais tarde, o produtor necessitará de informação para uma administração mais profissional. A questão hoje é saber se esse produtor fará ou se vai perder o bonde da história .

* Marcelo Tacchi é agrônomo que desde 1995 está voltado para a informatização do campo. Sua empresa, a Ti-Agro, com atuação no país, América Latina, Europa e China, é a responsável pela gestão da Qualidade Total em cerca de 5 mil propriedades do país